Pular para o conteúdo principal

INDÚSTRIA 4.0: FIQUE POR DENTRO



Blog Operações e Serviços



A primeira grande revolução industrial se deu com a chegada das máquinas a vapor que abriram as portas para a era da mecanização. A segunda revolução foi a era da produção em massa resultante da vinda da eletricidade e das linhas de montagem. Com a computação surgiu a terceira era, onde a automação, os robôs e máquinas começaram a substituir os humanos nas linhas de montagem.

Agora estamos "entrando" na Indústria 4.0, com a união dos computadores e da automação, juntamente com a robótica conectada remotamente a sistemas de computador equipados com algoritmos que podem aprender e controlar a robótica sem necessitar da interferência humana.

Surgiu em 2011 quando representantes do setor público e privado da Alemanha começaram a discutir o conceito da chamada Indústria 4.0: a quarta revolução industrial que traria a digitalização completa da manufatura, ligando a automação industrial ao uso de máquinas conectadas para fabricação de produtos cada vez mais customizados e baseados em dados analíticos.

Para a implementação do modelo, o setor empresarial alemão começou a trabalhar em conjunto para criar uma série de recomendações de melhores práticas, promovendo ideais como interoperabilidade, transparência da informação e tomada descentralizada de decisões.

Na Indústria 4.0 eis que surgem as “fábricas inteligentes”, onde os sistemas ciber-físicos monitoram os processos físicos da fábrica e tomam decisões descentralizadas. Os sistemas físicos tornam-se Internet das Coisas e permitem a interação uns com os outros e com os humanos em tempo real através da rede sem fio.

Para uma fábrica ou sistema ser considerado Indústria 4.0, deve incluir:

· Conexão e comunicação entre sensores, máquinas, dispositivos e seres humanos.

· Transparência da informação - os sistemas criam uma cópia virtual do mundo físico por meio de dados do sensor para contextualizar informações.

· Sistemas capazes de auxiliar na tomada de decisão e resolução de problemas, bem como realizar tarefas muito difíceis ou inseguras para os seres.

· Sistemas ciber-físicos capazes de tomar decisões simples por conta própria, permitindo que eles se tornem tão autônomos quanto for possível.



DESAFIOS DA INDÚSTRIA 4.0:


Os problemas de segurança de dados aumentam consideravelmente, integrando novos sistemas e mais acesso a esses sistemas. Além disso, o conhecimento de produção proprietário também se torna um problema de segurança de TI.

Um alto grau de confiabilidade e estabilidade é necessário para uma comunicação ciber-física bem-sucedida que pode ser difícil de alcançar e manter.

Manter a integridade do processo de produção com menos supervisão humana pode se tornar uma barreira.

O aumento do desemprego é sempre uma preocupação quando novas automações são introduzidas.

E evitar problemas técnicos que poderiam causar cortes de produção caros é sempre uma preocupação.

A falta de mão de obra qualificada com experiência para implementar estes sistemas,  bem como a resistência por parte dos Stakeholders em investir pesadamente em novas tecnologias também é um desafio.


Os benefícios de um modelo da Indústria 4.0 superam as preocupações de muitas instalações de produção. Certamente a quarta revolução industrial trará muitas mudanças, neste momento essa não é uma realidade para todos os países, mas mesmo que implantada parcialmente os ganhos serão imensuráveis para o setor industrial.

Os ambientes de trabalho insalubres poderiam ser melhorados dramaticamente. Cadeias de suprimentos podem ser mais facilmente controladas quando há dados em todos os níveis do processo de fabricação e entrega. O controle do computador pode produzir produtividade e saída muito mais confiáveis ​​e consistentes. E os resultados para muitos negócios podem ser aumento de receita, participação de mercado e lucros.








Gostou do blog? Faça seus comentários, compartilhe com os seus amigos.
 A sua opinião é muito importante!!!




Muito obrigado e até a próxima.
Blog Operações e Serviços


Comentários

Postagens Mais Visitadas

GRÁFICO BALANCEAMENTO DE OPERADORES

O Balanceamento de operadores é feito através das análises dos tempos que cada estágio leva para fabricar um conjunto ou uma parte do produto final.

A flexibilidade do trabalho é a chave para o gerenciamento eficaz de recursos e é por este motivo que um balanceamento das operações traz a garantia de que cada estação pode entregar e ser atendida dentro do Takt Time, utilizando a capacidade de produção disponível.

Estou disponibilizando uma Planilha GBO, para auxiliar no balanceamento e identificação das:

AV – Atividades que agregam valor;

NAV – Atividades que não agregam valor;

NAVN – Atividades que não agregam valor, mas não necessárias.

E então junto com os gestores de linha trabalhar na eliminação de desperdícios e melhorar o fluxo da produção. Sempre digo “juntos” por considerar a experiência de quem está no Gemba a mais tempo e todos os dias muito importante.

Mas antes de qualquer coisa devemos além de conversar com o gestor, ir até os colaboradores e explicar os motivos da tomad…

METODOLOGIA 5G - AÇÕES SIMPLES E EFICAZES

A metodologia 5G é composta por cinco expressões japonesas com a letra inicial “G” e tem como objetivo auxiliar na resolução de problemas.
São atitudes que facilitam a busca pela causa raiz para a solução problemas e possíveis melhorias através da observação direta. A metodologia traz o objetivo de que para resolvermos os problemas é necessário entendê-los totalmente, indo até ao local onde estão ocorrendo, melhorando a visão das pessoas sobre o que de fato está acontecendo para então trabalhar na resolução.

GEMBA – Local de trabalho
Gemba é traduzido como o “lugar onde as coisas acontecem” ou o “local real”, ou seja, é local onde o valor é agregado, geralmente é utilizado na expressão Gemba Walk, que se refere a uma caminhada não só pela produção, mas em todos os lugares onde são necessárias ações para atender clientes. O objetivo do Gemba Walk é praticar caminhadas pelos locais de trabalho afim de encontrar oportunidades para melhorias, avaliar resultados, indicadores e ouvir as pesso…

MIERUKA - VER PARA CRER

Como andam as informações em sua empresa? Todo mundo entende ou só quem desenvolveu compreende?


O Mieruka é um termo japonês traduzido como Controle Visual e seguir suas diretrizes pode contribuir muito nos fluxos de informação e processos da sua empresa e devemos seguir três diretrizes para aplicar a ferramenta:


1). Desenvolver um controle visual simples;


2). Todos devem conseguir enxergar e identificar;


3). Devido a possíveis mudanças devem ser fáceis de atualizar.



Explico cada uma delas e os quatro tipos de Mieruka existentes neste artigo: https://lnkd.in/dZciqDB

O Artigo também estará disponível em PDF no link da publicação original no LinkedIn