Pular para o conteúdo principal

PROJETOS: LIÇÕES APRENDIDAS

Não importa o tamanho da empresa, se houver projetos eles sempre terão pontos de melhoria, as chamadas Lições Aprendidas (LA).

Lição aprendida é uma ferramenta de melhoria contínua, se utilizada corretamente permite que a organização aprenda com os seus erros, prevenindo que estas falhas venham a ocorrer novamente em projetos futuros.

Gerenciar este conhecimento possibilita reter informações vitais para os projetos futuros em toda a organização.

É essencial registra-las durante todas as fases do projeto, pois cada etapa é composta por sucessos e também por fracassos. Na medida em que estas informações forem sendo utilizadas em projetos futuros, o ideal é que a LA seja referenciada.

Outra dica é a realização de encerramento de projetos para divulgação das L.A, além de relatar e classificar é importante informar quais foram os impactos causados e apresentar recomendações para os empreendimentos futuros.

Para que as lições aprendidas sejam devidamente utilizadas conforme a sua utilidade, deve ser estabelecido um processo bem definido e disciplinado. O problema é que muitas instituições não dispõem das ferramentas necessárias para coleta e organização das informações dificultando a geração do conhecimento, outras até possuem, mas não tem o devido comprometimento por parte das lideranças, o que muitas vezes se dá devido à resistência natural a mudança de cultura organizacional.

Existem outras ferramentas com outras nomenclaturas que são excelentes históricos de lições aprendidas como, por exemplo, o FMEA.

A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta que busca, em princípio, evitar, por meio da análise das falhas potenciais e propostas de ações de melhoria, que ocorram falhas no projeto do produto ou do processo.

Listamos algumas perguntas que podem auxiliar a desenvolver um histórico de lições aprendidas, são elas:

Qual a fase?

Qual a falha?

Por que ocorreu?

Como o problema foi detectado ou por que não foi detectado?

Foi criado um plano de ação?

Quais foram as decisões tomadas para a solução do problema?

Como estas informações podem ser úteis para os projetos futuros?

Quando elas serão úteis?

Quem será o responsável?


LIÇÕES APRENDIDAS E NORMAS IATF 16949 E ISO 9001

ITEM 6.1.2.2 DA PRIMEIRA EDIÇÃO NA IATF 16949 PUBLICADA EM 1 DE OUTUBRO DE 2016:



A organização deve determinar e implementar ações para eliminar as causas de não conformidades potenciais, a fim de evitar a sua ocorrência, as ações preventivas devem ser apropriadas a severidade dos problemas potenciais.

A organização deve estabelecer um processo para diminuir o impacto dos efeitos negativos do risco, incluindo o seguinte:


Determinação de não conformidades potenciais e suas causas;

Avaliação da necessidade de ações para impedir a ocorrência de não conformidades;

Determinação e implementação de ações necessárias;

Informação documentada das ações tomadas;

Utilização de lições aprendidas para impedir a recorrência em processos similares (Ver ISSO 9001, Seção 7.1.6).


ANEXO B - ITEM 7.1.6 ABNT NBR ISO 9001 TERCEIRA EDIÇÃO VÁLIDA A PARTIR DE 30 DE OUTUBRO DE 2015:


A organização deve determinar o conhecimento necessário para a operação de seu processo e para alcançar a conformidade de produtos e serviços.

Esse conhecimento deve ser mantido e estar disponível na extensão necessária.

Ao abordar necessidades e tendências de mudanças, a organização deve considerar seu conhecimento no momento e determinar como adquirir ou acessar qualquer conhecimento adicional necessário e atualizações requeridas.

Nota1 Conhecimento organizacional é conhecimento específico para a organização; ele é obtido por experiência. Ele é informação que é usada e compartilhada para alcançar os objetivos da organização.


Nota 2 Conhecimento organizacional pode ser baseado em:


Fontes internas (por exemplo, propriedade intelectual; conhecimento obtido de experiência; lições aprendidas de falhas e de projetos bem-sucedidos; captura e compartilhamento de conhecimento e experiência não documentados; os resultados de melhorias em processos; produtos e serviços);

Fontes externas (por exemplo, normas, academia; conferência; compilação de conhecimento de clientes ou provedores externos).
Blog Operações e Serviços - www.operacoeseservicos.com
Disponível na Amazon, clique na imagem para maiores detalhes



Blog Operações e Serviços - www.operacoeseservicos.com


Este livro é um compilado de narrativas reais sobre lições aprendidas em projetos, contadas pelo foco de quem as viveu. As experiências aqui relatadas ajudaram a construir o perfil profissional dos autores e podem ajudar você a evitar situações parecidas.

São histórias curtas e de fácil leitura, onde o leitor que não tem relação direta com o gerenciamento de projetos poderá conhecer um pouco mais do cotidiano da profissão, e certamente nossos colegas de profissão inevitavelmente se enxergarão em algum dos textos ou até mesmo terão seus déjà vu.

São experiências relacionadas com as mais variadas áreas de negócio, nos diversos tamanhos de projetos e nas mais diferentes condições de gerenciamento. As histórias relacionadas com riscos, cultura organizacional, recursos, custos, mudança de escopo, comportamento humano, entre outras áreas, colocarão o leitor dentro do cotidiano da gestão de projetos através de uma narrativa livre de termos extremamente técnicos e com uma abordagem direta e bem-humorada.

Os autores têm formação em áreas distintas, como Engenharia Industrial, Administração de Empresas, Arquitetura e Urbanismo e Ciência da Computação, e acabaram se encontrando através do Project Management Institute, dado a paixão compartilhada por eles pela gestão de projetos. Todos são voluntários do PMI e contribuíram em algum momento na diretoria do capítulo do PMI do Rio Grande do Sul, além de serem amigos há um bom tempo e professores de disciplinas ligadas a gerenciamento de projetos em várias instituições de ensino.





Blog Operações e Serviços - www.operacoeseservicos.com

Trabalhar para um bom gestor pode ser uma experiência incrível e gratificante porque ele entende como delegar autoridade, responsabilidades e tarefas para pessoas e grupos. Gestores ruins designam tarefas e definem prazos arbitrariamente e, depois, para piorar, não fornecem os recursos adequados para que as metas sejam atingidas.


O objetivo deste livro é transmitir a você, caro leitor, uma filosofia de como obter sucesso como gestor ou supervisor de pessoas. Aqui você vai descobrir que o melhor aprendizado vem de mentores, cursos rápidos, livros e da escola da vida: a experiência.






Muito obrigado e até a próxima.
Blog Operações e Serviços


Comentários

Postagens Mais Visitadas

GRÁFICO BALANCEAMENTO DE OPERADORES

O Balanceamento de operadores é feito através das análises dos tempos que cada estágio leva para fabricar um conjunto ou uma parte do produto final.

A flexibilidade do trabalho é a chave para o gerenciamento eficaz de recursos e é por este motivo que um balanceamento das operações traz a garantia de que cada estação pode entregar e ser atendida dentro do Takt Time, utilizando a capacidade de produção disponível.

Estou disponibilizando uma Planilha GBO, para auxiliar no balanceamento e identificação das:

AV – Atividades que agregam valor;

NAV – Atividades que não agregam valor;

NAVN – Atividades que não agregam valor, mas não necessárias.

E então junto com os gestores de linha trabalhar na eliminação de desperdícios e melhorar o fluxo da produção. Sempre digo “juntos” por considerar a experiência de quem está no Gemba a mais tempo e todos os dias muito importante.

Mas antes de qualquer coisa devemos além de conversar com o gestor, ir até os colaboradores e explicar os motivos da tomad…

METODOLOGIA 5G - AÇÕES SIMPLES E EFICAZES

A metodologia 5G é composta por cinco expressões japonesas com a letra inicial “G” e tem como objetivo auxiliar na resolução de problemas.
São atitudes que facilitam a busca pela causa raiz para a solução problemas e possíveis melhorias através da observação direta. A metodologia traz o objetivo de que para resolvermos os problemas é necessário entendê-los totalmente, indo até ao local onde estão ocorrendo, melhorando a visão das pessoas sobre o que de fato está acontecendo para então trabalhar na resolução.

GEMBA – Local de trabalho
Gemba é traduzido como o “lugar onde as coisas acontecem” ou o “local real”, ou seja, é local onde o valor é agregado, geralmente é utilizado na expressão Gemba Walk, que se refere a uma caminhada não só pela produção, mas em todos os lugares onde são necessárias ações para atender clientes. O objetivo do Gemba Walk é praticar caminhadas pelos locais de trabalho afim de encontrar oportunidades para melhorias, avaliar resultados, indicadores e ouvir as pesso…

O CONCEITO DE EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E EFETIVIDADE

É dever de um líder conduzir as pessoas da sua equipe a fazerem as coisas certas (eficácia), da melhor maneira possível (eficiência) buscando os impactos sociais e comerciais favoráveis a organização (efetividade).

Mas o que é eficiência, eficácia e efetividade?

FAZER A COISA CERTA – EFICÁCIA
Normalmente está ligada ao nível gerencial, busca atingir objetivos, alcançar os resultados planejados, atingir a meta.

Não está preocupada em como fazer, não mede recursos e esforços para fazer o que é preciso ser feito.


Exemplo 1:
Uma grande obra está sendo construída para um evento que acontecerá daqui a 3 anos, a empresa que ganhar a licitação deverá entrega-la pronta em 2 anos. O orçamento inicial é de 100 milhões de reais.

Ao final de dois anos a empreiteira nomeada entregou a obra totalmente concluída, mas em função de diversos problemas o orçamento final ficou em 250 milhões.

O projeto de construção da obra foi eficaz, pois pois foi finalizado dentro do prazo programado.

FAZER A COISA…